Notícias - Parques, Praças e Praias

Presidente do CONSEMAC, Marcelo Queiroz que indica ”a defesa da integridade da Alameda Historiadora Sandra Pereira Faria Alvim

Essa é uma tremenda vitória da população do Recreio que se uniu, junto a nossa associação, em prol de uma causa comum.

Criamos um grupo de 6 advogados para nortearmos o nosso trabalho, contatamos a imprensa, fizemos inúmeros ofícios e conseguimos as 100 primeira mudas, das muitas outras que vieram depois, para o evento que chamamos de “Plantaço”, isso sem falar do apoio e da divulgação do abaixo assinado que contou com mais de 4.000 assinaturas.

Meses depois, e agora com um Secretário que abraçou a nossa causa, saímos vitoriosos e mais unidos do que nunca.

Hoje em dia, a Alameda, tem uma adotante, Isabele de Loys, e um grupo que se esmera em cuidar e promover eventos, o Patativas.

Eles já caminham sozinhos, mas quando precisarem estaremos aqui dispostos a ajudar e amparar como sempre fazemos com todos que nos procuram.

Viva a Alameda Historiadora Sandra Pereira Faria Alvim

Texto publicado no D.O:
CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DA CIDADE
DO RIO DE JANEIRO
CÂMARA TÉCNICA DE ÁREAS VERDES E PATRIMÔNIO AMBIENTAL PARECER No 03/2018
A Câmara Técnica de Áreas Verdes e Patrimônio Ambiental, no
cumprimento de suas atribuições regimentais, e
CONSIDERANDO que o Art. 460 da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 05/04/1990, preconiza que “Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, patrimônio comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se à coletividade e em especial ao Poder Público o dever de defendê-lo, garantida sua conservação, recuperação e proteção em benefício das gerações atuais e futuras;
CONSIDERANDO que a mesma Lei Orgânica, em seu Art. 475 reza que “É dever de todos preservar as coberturas florestais nativas ou recuperadas existentes no Município, consideradas indispensáveis ao processo de de- senvolvimento equilibrado e à sadia qualidade de vida de seus habitantes”, e que o parágrafo único desse artigo determina que “É vedada a redução, a qualquer título ou pretexto, das áreas referidas neste artigo”; CONSIDERANDO que a lei no 2.390/1995, ao criar o CONSEMAC, deu-lhe a atribuição, entre outras, de “deliberar, supletivamente, sobre a paralização ou o embargo de obras e atividades que estejam causando, ou possam causar, danos ao meio ambiente...” (Art. 2o, IV); CONSIDERANDO que entre as principais diretrizes do Plano Estratégico da Cidade do Rio de Janeiro (2017-2020) estão as de “Garantir a valorização da paisagem como um ativo da cidade nas propostas de ocupação do território, promovendo-a e preservando-a como identidade cultural e ambiental nos diferentes bairros” bem como “Garantir a preservação e a conservação das áreas naturais e de relevante interesse ambiental (Parques Urbanos e demais áreas verdes)”, e ainda “Promover a ampliação da arborização urbana e garantir sua gestão adequada”; CONSIDERANDO que a Alameda Historiadora Sandra Pereira Faria Alvim, no Recreio dos Bandeirantes, constitui-se em área verde de grande relevância para aquela região da cidade, por sua extensão de sete quarteirões, da Praça Heitor Bastos Tigre à Avenida Jarbas de Carvalho, onde encontra o citado PNM Chico Mendes - extensão essa somente interceptada pela Avenida Genaro de Carvalho;
CONSIDERANDO que em reconhecimento dessa relevância a Prefeitura elaborou o Projeto Corredor Verde - Alameda Sandra Alvim, ligando o Parque Natural Municipal Chico Mendes à Avenida das Américas, com o objetivo de “inibir o processo de degradação dos ecossistemas” e de “restabelecer o equilíbrio ambiental perdido com a crescente urbanização, através da interligação de fragmentos de ecossistemas e enriquecimento da biodiversidade pela circulação de animais e dispersão da flora” (http:// www.prefeitura.rio/web/smac/exibeconteudo?id=6593200); CONSIDERANDO que na extremidade sul da referida Alameda, cerca de três dos sete quarteirões de sua extensão total encontram-se dentro da Zona de Amortecimento do PNM Chico Mendes, conforme o Plano de Manejo daquela UC municipal de proteção integral;
CONSIDERANDO que tramita na Prefeitura (Proc. no 02/001.601/2018), contrario sensu do que foi dito acima, um projeto de arruamento que visa a ligar trechos de ruas transversais à Alameda Sandra Alvim, assim seccionando esse logradouro e submetendo-o a processo de rápida degradação, que se iniciará pela perda real de segmentos para a abertura dessas ruas e que continuará pela completa descaracterização e deterioração dos trechos remanescentes, que então seriam desconec- tados uns dos outros;
CONSIDERANDO que existe, assim, flagrante conflito entre o referido projeto de arruamento, patrocinado por interesses outros que não o bem ambiental da cidade e a preservação da Alameda por suas características ambientais e paisagísticas atuais e potenciais;
CONSIDERANDO que um dos educandários da região, o Colégio Santa Mônica, fez publicar uma nota em que descarta qualquer vinculação de seu nome com o processo em curso na Prefeitura, declarando-se, ao contrário, em defesa do meio ambiente;
CONSIDERANDO ser a Alameda Sandra Alvim um logradouro gravado como “Faixa Arborizada”, conforme consta de despacho da SMU no processo acima referido;
CONSIDERANDO a intensa mobilização popular em defesa da preserva- ção da Alameda, representada por publicações em redes sociais (Grupo Patativas, Associação de Moradores do Recreio - AMOR e outros), em jornais impressos (Globo Barra de 20/09/18) e televisivos (“Radar RJ” - https://glo- boplay.globo.com/v/7039001/), um abaixo-assinado com mais de 4.000 assinaturas, um registro de ocorrência policial como medida assecuratória de direito futuro e provável judicialização da demanda da população através do Ministério Público;
CONSIDERANDO que os programas oficiais da Prefeitura “O Rio planta, eu cuido” e “Programa de adoção de áreas verdes”, ambos sob a responsabilidade da Fundação Parques e Jardins, contemplam a cooperação entre o poder público municipal e a sociedade, em benefício de iniciativas como aquelas da população vizinha da Alameda;
CONSIDERANDO o Processo no 26/602.070/2018, iniciado pela Sra. Isabelle de Loys junto à Fundação Parques e Jardins, visando a adoção da área em questão;
CONSIDERANDO haver forte conveniência de atendimento ao pleito da população do entorno da Alameda, de forma compatível com técnicas de sustentabilidade e com assistência das áreas competentes da Prefeitura, capitalizando o envolvimento popular com as questões ambientais da cidade;
CONSIDERANDO, finalmente, a aprovação unânime dos Membros presentes à reunião desta Câmara Técnica realizada no dia 7 de novembro de 2018,
RECOMENDA que o plenário do Conselho Municipal de Meio Ambiente aprove a minuta de Indicação anexa ao Sr. Secretário Municipal de Conservação e Meio Ambiente, destinada a:
a) Promover a defesa da integridade da Alameda Historiadora Sandra Pereira Faria Alvim, no Recreio dos Bandeirantes, pelo indeferimento “ad perpetuam rei memoriam” dos projetos de arruamento que ameacem ou venham a ameaçar essa integridade, mandando arquivar o processo no 02/001.601/2018;
b) Valorizar o envolvimento da sociedade do entorno da referida Alameda na sua preservação, que constitui um marco positivo de como a cidadania e o meio ambiente se inter-relacionam para benefício geral, dando-lhe o devido suporte técnico e institucional municipal;
c) Coordenar com a Fundação Parques e Jardins a inclusão da Alameda na lista de logradouros passíveis de adoção, assegurando ambiente favorável à pretensão da população vizinha, já manifestada em processo acima citado; e
d) Incentivar outras iniciativas da mesma natureza, em outros pontos da cidade, por meio da maior difusão possível do Programa de Adoção de Áreas Verdes.

Rio de Janeiro, 7 de novembro de 2018.
Câmara Técnica de Áreas Verdes e Patrimônio Ambiental 
Ana Julieta Carneiro de Lima Coordenadora

CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE INDICAÇÃO CONSEMAC No 45/2019, DE 14 DE MAIO DE 2019
“Dispõe sobre a defesa da integridade da Alameda Historiadora Sandra Pereira Faria Alvim, no Recreio dos Bandeirantes, pelo indeferimento “ad perpetuam rei memoriam” dos projetos de arruamento que ameacem ou venham a ameaçar essa in- tegridade, mandando arquivar o processo no 02/001.601/2018;”
O Conselho Municipal de Meio Ambiente da Cidade do Rio de Janeiro - CONSEMAC, no exercício de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO que o Art. 460 da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 05/04/1990, preconiza que “Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, patrimônio comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se à coletividade e em especial ao Poder Público o dever de defendê-lo, garantida sua conservação, recuperação e proteção em benefício das gerações atuais e futuras;
CONSIDERANDO que a mesma Lei Orgânica, em seu Art. 475 reza que “É dever de todos preservar as coberturas florestais nativas ou recuperadas existentes no Município, consideradas indispensáveis ao processo de desenvolvimento equilibrado e à sadia qualidade de vida de seus habitantes”, e que o parágrafo único desse artigo determina que “É vedada a redução, a qualquer título ou pretexto, das áreas referidas neste artigo”;
CONSIDERANDO que a lei no 2.390/1995, ao criar o CONSEMAC, deu-lhe a atribuição, entre outras, de “deliberar, supletivamente, sobre a paralização ou o embargo de obras e atividades que estejam causando, ou possam causar, danos ao meio ambiente...” (Art. 2o, IV); CONSIDERANDO que entre as principais diretrizes do Plano Estratégico da Cidade do Rio de Janeiro (2017-2020) estão as de “Garantir a valorização da paisagem como um ativo da cidade nas propostas de ocupação do território, promovendo-a e preservando-a como identidade cultural e ambiental nos diferentes bairros” bem como “Garantir a preservação e a conservação das áreas naturais e de relevante interesse ambiental (Parques Urbanos e demais áreas verdes)”, e ainda “Promover a ampliação da arborização urbana e garantir sua gestão adequada”; CONSIDERANDO que a Alameda Historiadora Sandra Pereira Faria Alvim, no Recreio dos Bandeirantes, constitui-se em área verde de grande relevância para aquela região da cidade, por sua extensão de sete quarteirões, da Praça Heitor Bastos Tigre à Avenida Jarbas de Carvalho, onde encontra o citado PNM Chico Mendes - extensão essa somente interceptada pela Avenida Genaro de Carvalho;
CONSIDERANDO que em reconhecimento dessa relevância a Prefeitura elaborou o Projeto Corredor Verde - Alameda Sandra Alvim, ligando o Parque Natural Municipal Chico Mendes à Avenida das Américas, com o objetivo de “inibir o processo de degradação dos ecossistemas” e de “restabelecer o equilíbrio ambiental perdido com a crescente urbanização, através da interligação de fragmentos de ecossistemas e enriquecimento da biodiversidade pela circulação de animais e dispersão da flora” (http:// www.prefeitura.rio/web/smac/exibeconteudo?id=6593200); 
CONSIDERANDO que na extremidade sul da referida Alameda, cerca de três dos sete quarteirões de sua extensão total encontram-se dentro da Zona de Amortecimento do PNM Chico Mendes, conforme o Plano de Manejo daquela UC municipal de proteção integral;
CONSIDERANDO que tramita na Prefeitura (Proc. no 02/001.601/2018), contrario sensu do que foi dito acima, um projeto de arruamento que visa a ligar trechos de ruas transversais à Alameda Sandra Alvim, assim seccionando esse logradouro e submetendo-o a processo de rápida degradação, que se iniciará pela perda real de segmentos para a abertura dessas ruas e que continuará pela completa descaracterização e deterioração dos trechos remanescentes, que então seriam desconec- tados uns dos outros;
CONSIDERANDO que existe, assim, flagrante conflito entre o referido projeto de arruamento, patrocinado por interesses outros que não o bem ambiental da cidade e a preservação da Alameda por suas características ambientais e paisagísticas atuais e potenciais;
CONSIDERANDO que um dos educandários da região, o Colégio Santa Mônica, fez publicar uma nota em que descarta qualquer vinculação de seu nome com o processo em curso na Prefeitura, declarando-se, ao contrário, em defesa do meio ambiente;
CONSIDERANDO ser a Alameda Sandra Alvim um logradouro gravado como “Faixa Arborizada”, conforme consta de despacho da SMU no pro- cesso acima referido;
CONSIDERANDO a intensa mobilização popular em defesa da preservação da Alameda, representada por publicações em redes sociais (Grupo Patativas, Associação de Moradores do Recreio e outros), em jornais impressos (Globo Barra de 20/09/18) e televisivos (“Radar RJ” - https://globoplay.globo.com/v/7039001/), um abaixo-assinado com mais de 4.000 assinaturas, um registro de ocorrência policial como medida assecuratória de direito futuro e provável judicialização da demanda da população através do Ministério Público;
CONSIDERANDO que os programas oficiais da Prefeitura “O Rio planta, eu cuido” e “Programa de adoção de áreas verdes”, ambos sob a respon- sabilidade da Fundação Parques e Jardins, contemplam a cooperação entre o poder público municipal e a sociedade, em benefício de iniciativas como aquelas da população vizinha da Alameda;
CONSIDERANDO o Processo no 26/602.070/2018, de iniciativa da Sra. Isabelle de Loys junto à Fundação Parques e Jardins, visando a adoção da área em questão, já concluído de forma positiva pela adoção do logradouro;
CONSIDERANDO haver forte conveniência de atendimento ao pleito da população do entorno da Alameda, mas sempre de forma compatível com técnicas de sustentabilidade e com assistência das áreas competentes da Prefeitura, capitalizando o envolvimento popular com as questões ambientais da cidade;
CONSIDERANDO, finalmente, a aprovação unânime dos Membros presentes à reunião da Câmara Técnica de Áreas Verdes e Patrimônio Ambiental deste Conselho realizada no dia 7 de novembro de 2018, INDICA ao Sr. Secretário Municipal de Meio Ambiente providências urgentes no sentido de:
e) Promover a defesa da integridade da Alameda Historiadora Sandra Pereira Faria Alvim, no Recreio dos Bandeirantes, pelo inde- ferimento “ad perpetuam rei memoriam” dos projetos de arruamento que ameacem ou venham a ameaçar essa integridade, mandando arquivar o processo no 02/001.601/2018;
f) Valorizar o envolvimento da sociedade do entorno da referida Alameda na sua preservação, que constitui um marco positivo de como a cidadania e o meio ambiente se interrelacionam para benefício geral, dando-lhe o devido suporte técnico e institucional municipal;
g) Coordenar com a Fundação Parques e Jardins e a Comlurb ações que materializem esse suporte técnico e institucional, assegurando que a adoção se desenvolva em ambiente de cooperação entre adotante e órgãos públicos municipais; e
h) Incentivar outras iniciativas da mesma natureza, em outros pontos da cidade, por meio da maior difusão possível do Programa de Adoção de Áreas Verdes.

Atenciosamente,
Marcelo Queiroz

Fale Conosco

Av. Genaro de Carvalho, 1878 - Recreio dos Bandeirantes - Rio de Janeiro - RJ, 22795-077, Brasil

(21) 2437-8446
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Segunda à Sexta: 9h às 12h - 13h às 17h

CNPJ: 304737970001-05

Acesso Restrito

Mantenha-se informado

Inscreva-se e receba nosso informativo sobre as atividades e ATAS das nossas reunião da AMOR.

Colabore por um Bairro melhor

Colabore apoiando ou criando demandas, participando das reuniões da Associação e se associando, pois assim você ajuda a construir um bairro melhor para se viver.